Justificados pela fé

Postado em
0

por Vinícius Toscano de Brito

“Deus tornou pecado por nós aquele que não tinha pecado, para que nele nos tornássemos justiça de Deus” (II Coríntios 5.21).

Quando tratamos da justiça de Deus precisamos lembrar que toda a história do homem na Terra é dividida em antes e depois da queda. Deus Criou Adão para a comunhão, e essa comunhão que Adão tinha com Deus permitia que ele estivesse em Sua presença sem qualquer sentimento de culpa ou inferioridade. Até a queda.

A queda, ou o pecado de Adão, fez com que a ele perdesse a capacidade de estar na presença de Deus e até de se aproximar d’Ele. O pecado fez o homem se tornar indigno e não merecedor de estar na presença de Deus, cheio de culpa e condenação.

Mais do que isso, o pecado fez o homem morrer espiritualmente.  O apóstolo Paulo expressa isso da seguinte forma: “Portanto, da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecaram” (Romanos 5.12). A revelação que recebemos de Deus é que Ele preparou, ao longo de toda a história, a forma de reverter essa situação. E a solução foi Jesus.

No mesmo capítulo de Romanos, nos versos de 17 a 19, é dito: “Se pela transgressão de um só a morte reinou por meio dele, muito mais aqueles que recebem de Deus a imensa provisão da graça e a dádiva da justiça reinarão em vida por meio de um único homem, Jesus Cristo. Consequentemente, assim como uma só transgressão resultou na condenação de todos os homens, assim também um só ato de justiça resultou na justificação que traz vida a todos os homens. Logo, assim como por meio da desobediência de um só homem muitos foram feitos pecadores, assim também, por meio da obediência de um único homem muitos serão feitos justos”.

O resgate do homem de sua posição anterior à queda, portanto, deveria ser um ato de justiça e esse ato de justiça foi o ato do justo Jesus. Jesus foi entregue à morte por nossos pecados e ressuscitado para nossa justificação (Romanos 4.25). Por meio do ato de obediência de Cristo fomos feitos justos. A justiça de Deus em Cristo Jesus é o tema central de todo o Novo Testamento. O livro de Romanos mostra como a justiça foi restaurada a nós por meio da fé.

A justiça de Deus é a capacidade restaurada ao homem de permanecer na presença d’Ele sem senso de culpa, de condenação ou de inferioridade. A justiça é a restauração da comunhão de Deus com o homem perdida no jardim, com a queda. O mais impactante e maravilhoso dessa realidade é que ela já foi conquistada para nós sem que nós tivéssemos ou pudéssemos fazer nada a respeito. Jesus fez por nós. É aí que a revelação paulina nos alcança e no diz: “Porque no evangelho é revelada a justiça de Deus, uma justiça que do princípio ao fim é pela fé”, como está escrito: “O justo viverá pela fé” (Romanos 1.17) e ainda “Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo” (Romanos 5.1).

O homem é justificado pela fé, não por suas próprias obras e essa é parte mais espetacular da obra de Cristo na cruz. Em Romanos 3.28, Paulo declara: “Pois sustentamos que o homem é justificado pela fé, independente da obediência à Lei”. Assim, o homem justificado pela fé vive uma nova realidade, ou vive com uma nova natureza. Efésios 4.24 diz que esse novo homem justificado em Cristo Jesus é um “novo homem, criado para ser semelhante a Deus em justiça e em santidade provenientes da verdade.”

Justificados pela fé, nós nos tornamos um com Cristo. A mesma autoridade que Ele tinha na terra nós temos também. Somos justos e recebemos a adoção de filhos (Gálatas 4.6).

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA