Treine os seus ministros

Postado em
0

por Rozilon Lourenço

Não sei se você percebe, mas eu tenho sentido o cheiro da chuva que está chegando para produzir. Nós vamos avançar e crescer porque estamos vivendo os últimos dias. Dessa vez a coisa é séria: verdadeiramente, Jesus está voltando. Esse é o tempo da maior colheita de almas de todos os tempos.

A política é importante, mas não conseguiu resolver tudo. A ciência é importante, mas não conseguiu resolver tudo. Mas o Evangelho de Cristo consegue!

Este país é nosso — somos embaixadores de Cristo nesta nação. Precisamos entender que fomos levantados por Deus com um objetivo: honrar aqueles que nos treinaram e “passar o bastão” para os que estão vindo adiante. Precisamos viver intensamente como se Jesus fosse voltar amanhã, mas também precisamos nos preparar como se isso fosse demorar mais cinquenta anos.

Vamos passar o bastão para gerações futuras e prepará-las para avançar.

Aqui na Igreja, existe um projeto chamado Qualificação Ministerial — um tipo de discipulado com cerca de dois encontros por mês. As pessoas que fazem parte desse projeto, em sua maioria, já fizeram o Rhema e Escola de Ministros. Sendo assim, gostaríamos de tratar sobre assuntos que ainda não foram compartilhados com eles, como uma “lixa nº 80”, dando o acabamento.

“Tu, pois, meu filho, fortifica-te na graça que há em Cristo Jesus. E o que de mim, entre muitas testemunhas, ouviste, confia-o a homens fiéis, que sejam idôneos para também ensinarem os outros” (2 Timóteo 2.1-2).

Precisamos preparar os ministros para que a igreja possa crescer e avançar, combatendo, assim, a Síndrome de Moisés — a ideia de fazer tudo sozinho. Normalmente, ao iniciar uma obra, temos a tendência de fazer tudo: cantar, pregar, orar, impor as mãos, etc. Mas à medida que a igreja cresce, precisamos levantar outras pessoas, pois 70% das coisas que você faz, outras pessoas também podem fazer.

Deus vai lhe mostrar pessoas para “polir”. O pastor Bud, por exemplo, era um “polidor de talentos”. Ele nos encontrou em uma condição na qual, nem nós mesmos, acreditávamos que poderíamos chegar. Portanto, confie nas pessoas que Deus trouxe para você e coloque o seu DNA nelas.

Um surfista não pode criar a onda, mas pode aproveitá-la. Uma pessoa inteligente é aquela que aproveita a onda para avançar. Deus vai ensiná-lo como pegar essa onda diante de cada oportunidade.

Sucesso não é medido pelo número de pessoas, mas pela sua obediência ao que Deus disse para você fazer. Fique tranquilo, os números virão! Vai crescer naturalmente!

Sabe por que Deus chama o crente de ovelha? Pelos seguintes motivos:

1- Ela precisa e depende de alguém que cuide dela, pois não tem garras, por exemplo, nem nenhum mecanismo de defesa. Ela se sente segura ao ser cuidada por um pastor;
2 – Vive em rebanho, sendo assim, se uma cair, todas correrão atrás;

3 – A ovelha precisa ser tosada, pois se ficar muito cheia de lã, poderá morrer.
4 – Possuem uma liderança bem treinada e constantemente preparada, pois todos os dias temos novos desafios.

Ao observar igrejas de sucesso no Verbo da Vida, percebi características em comum:

1 – Elas estão conectadas e cumprem a visão; princípio não se mexe, se cumpre!
2 – Elas têm experiência de culto. Um culto vibrante, com pessoas tocadas pela Palavra. Mas, às vezes, encontramos pessoas que estão pregando algo que elas mesmas não creem. Promova um culto inspirador, onde o louvor alcança a todos, em uma atmosfera profética
3 – Possuem ministros em constante crescimento. Dê oportunidades! Se você chegou ao topo sozinho, é porque fez algo errado no caminho.
4 – Possuem uma liderança bem treinada e constantemente preparada, pois todos os dias temos novos desafios.

Para isso, precisamos tomar algumas atitudes e levar em consideração as seguintes DICAS:

D
emonstrar;
Instruir;
Confirmar em ação;
Avaliar e
Soltar.

Quando você investe em seus ministros, eles terão uma ligação com você. Crie filhos espirituais, pois todo ministro precisa de um pai ou mentor, alguém que vai instruir e trazer as orientações. Além de pai, ele precisa de um amigo, com quem possa ter comunhão — um Timóteo para quem ele vai passar o bastão. Instrua, conceda oportunidades, demonstre, estimule e avalie. É importante ter a quem prestar contas. Depois de tudo, solte-o, permitindo que ele realize tudo o que aprendeu e, assim, desenvolva seus talentos.

O pastor Bud sabia como treinar seus ministros. Ele nunca deixou que fosse criado um ambiente de competição. Nós éramos parceiros e o nosso maior desejo sempre foi o mesmo: servir à visão! 

Nós seremos uma grande influência na política, na arte, na educação e em todas as áreas da sociedade. Igrejas marcantes! 

 

Trechos da mensagem de 25 de março de 2022, na Reunião de Pastores e Diretorias.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA